Microcity

Call Centers e Universidades: uma união aliada à geração de empregos

Destinadas a promover conhecimento, dar vazão ao aprendizado de profissões e preparar intelectual e tecnicamente as pessoas para enfrentarem o mercado de trabalho, as universidades são, sem dúvida, um dos melhores ambientes para o estímulo do desenvolvimento social

Com a mesma relevância, um emprego é a oportunidade real e definitiva para que, principalmente os jovens, possam colocar em prática seus conhecimentos, aprimorá-los ou mesmo aprender como fazer, além de entenderem como executar tarefas, seguir processos e respeitar hierarquias.

Por que então não unir esses dois ambientes, o estudantil e o corporativo, num mesmo lugar? Esta tendência funcionaria como um ganha-ganha, em que todos os lados envolvidos seriam beneficiados: a universidade, que lançaria o aluno ao mercado de trabalho formado e com experiência profissional; a empresa, que contaria com um colaborador em pleno potencial de aprendizagem e disposto a evoluir; e o próprio estudante, que além de estudar, colocar em prática boa parte do seu aprendizado e ter uma remuneração, não teria que enfrentar os cansativos desdobramentos oriundos da locomoção trabalho-faculdade.

Pesquisa recente do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) indica que 52% dos universitários brasileiros trabalha. Além disso, outros 6,3% exercem algum tipo de trabalho não remunerado, 27,1% não trabalha e 13,3% está desempregado. Nesse contexto, o mercado de Call Centers vem muito a calhar. Em crescimento exponencial no Brasil, as oportunidades oferecidas pelas centrais de atendimento são muitas vezes a chance do primeiro emprego para milhares, não apenas os jovens. O nicho em questão, aliás, deve terminar 2013 com cerca de 1,8 milhão de pessoas empregadas, segundo a E-Consulting.

E para viabilizar a implantação de call centers de pequeno e médio porte, empresas do ramo estão investindo em parcerias com fornecedoras de outsourcing em infraestrutura de TI. Já existem no mercado empresas que, além de oferecerem toda a tecnologia, auxiliam também na infraestrutura física das instalações. Ou seja, enquanto as companhias de call centers se dedicam a definir questões estratégicas do negócio que vão iniciar, além das contratações e treinamentos necessários para o funcionamento da empresa, fica a cargo do fornecedor de TI a responsabilidade pelas instalações técnicas e funcionais do estabelecimento que será transformado em uma central de atendimento. Com isso, essas empresas podem se dedicar mais inteiramente ao seu core business e delegar o restante.

Embora muitas vezes seja visto, erroneamente, apenas como um local que ofereça vagas para teleoperadores – função esta que é o coração de qualquer unidade -, o call center é uma empresa completa, com departamento de Recursos Humanos, Marketing, Planejamento, Financeiro, Administrativo, TI, etc. Não restam dúvidas, trata-se de um mercado que é e pode ser ainda mais relevante para o desenvolvimento profissional e social do Brasil.

Marcelo Rodrigues é diretor Comercial e de Parcerias da Microcity

Fonte: PORTAL CALL CENTER

Fale com a Microcity
Ou entre em contato no Fone: 0800-568-5688. Para contato comercial, clique aqui.
Fale com a Microcity
Ou ligue para a Microcity (31) 2125.4200. Para contato comercial,
clique aqui.