Fale com um consultor Fale com consultor
Microcity

Análise de Vulnerabilidades: O que é e qual a importância para a segurança da informação?

Análise de Vulnerabilidades: O que é e qual a importância para a segurança da informação?

A Análise de vulnerabilidades consiste na avaliação e identificação de falhas e potenciais ameaças de segurança numa infraestrutura tecnológica. Este procedimento permite antecipar problemas de cibersegurança que possam prejudicar a operação da empresa.

 

Com o crescente registro de ataques cibernéticos a redes corporativas, a segurança da informação deve ser vista como prioridade na gestão de TI. Uma das práticas mais importantes para se mitigar o risco de grandes prejuízos é a análise de vulnerabilidades.

Para entender o que é e como esse processo é realizado, preparamos para você este artigo com todas as informações sobre a análise, além de dicas e boas práticas para sua implementação na empresa.

O que é análise de vulnerabilidade?

A análise de vulnerabilidade é uma avaliação minuciosa, seguida de medidas de correção e adaptação, que tem como objetivo definir, identificar, classificar e priorizar vulnerabilidades em sistemas de computador, aplicativos e infraestruturas de rede.

Esse processo é contínuo e não deve ser considerado como um projeto pontual. A análise deve ser refeita periodicamente, tendo em vista que a infraestrutura de TI é dinâmica e está em constante atualização. Sem falar, é claro, que cibercriminosos estão sempre buscando novas maneiras de atacar.

Para compreendermos como essa análise é feita, é preciso esclarecer três termos fundamentais para o processo, que são confundidos com frequência.

Vulnerabilidade

As vulnerabilidades são identificadas na própria infraestrutura de TI da empresa. Também chamadas de fraquezas, elas são as brechas na segurança, que poderiam ser usadas por uma pessoa mal intencionada para um ataque.

As vulnerabilidades podem ter origem em falhas humanas, erros de programação ou má configuração dos sistemas. De qualquer uma das formas, é preciso tratá-las e, se possível, eliminá-las por meio de ações proativas.

Risco

Os riscos representam aquilo que está em jogo na empresa, no caso de uma ameaça a uma vulnerabilidade. Ou seja, se um ataque ocorrer ao banco de dados de clientes, o risco é o vazamento de dados sensíveis de terceiros, por exemplo.

A definição e avaliação dos riscos nos ajuda a mensurar os impactos de um incidente na empresa. Esses índices permitem a criação de ações para minimizar e gerenciar os riscos em relação às vulnerabilidades e aos impactos relacionados.

Ameaça

As ameaças são as possibilidades de um agente, de fato, provocar um incidente na empresa se aproveitando de uma vulnerabilidade. Esse agente pode ser interno ou externo, assim como a ocorrência pode ser causada propositalmente ou acidentalmente. Consideramos que as ameaças externas não podem ser controladas, apenas identificadas.

Sua empresa está protegida das ameaças de segurança da informação?

Qual a importância da análise de vulnerabilidade para a segurança da informação?

A análise de vulnerabilidades é uma prática do que chamamos de gestão de TI proativa. Ou seja, em vez de ficar apenas apagando incêndios, a gestão se preocupa em identificar e corrigir brechas na segurança, se antecipando aos problemas e reduzindo o número de ocorrências.

A análise de vulnerabilidades não apenas reduz os impactos de falhas na segurança da informação, mas principalmente garante a melhoria contínua da infraestrutura da empresa.

Entre os principais benefícios da sua realização, podemos destacar a redução de prejuízos relacionados a incidentes de segurança, o aumento da disponibilidade do negócio e o alinhamento às normas de compliance.

Essas vantagens para o negócio são observadas como consequência de importantes aquisições para a gestão da tecnologia, como:

  • Identificação e mitigação de falhas que poderiam comprometer desempenho, funcionalidade e segurança;
  • Levantamento de ações necessárias para a correção das vulnerabilidades;
  • Acesso a relatórios mais completos, com visão privilegiada da infraestrutura;
  • Acompanhamento da evolução da segurança da informação.

Ou seja, é fácil observar e compreender a importância da análise de vulnerabilidade para a segurança da informação e para a gestão de TI. Os próprios objetivos do processo esclarecem as vantagens de realizá-lo.

Como fazer análise de vulnerabilidades?

Listamos para você seis passos fundamentais para realizar a análise de vulnerabilidades da forma mais abrangente, completa e estratégica para a sua empresa. Acompanhe!

1 – Mapeie os ativos de TI

Nessa primeira fase, é importante identificar tudo o que compõe a infraestrutura de TI da empresa, incluindo hardware, software e perfis de usuários. Esse registro é essencial para se visualizar as atividades críticas a serem tratadas nas etapas seguintes.

2 – Escaneie as vulnerabilidades

O scan de vulnerabilidades pode ser realizado com uma ferramenta de scan, que promove uma varredura nos IPs externos e internos e categoriza as vulnerabilidades de acordo com o risco apresentado.

3 – Avalie as vulnerabilidades

Com o resultado do escaneamento em mãos, é importante avaliar as vulnerabilidades encontradas a partir das ameaças relacionadas. Você pode criar ferramentas próprias ou usar métodos já conhecidos, como o STRIDE.

O STRIDE categoriza seis tipos de ameaça: Spoofing of identity (roubo de identidade ou falsificação); Tampering with data (violação ou adulteração de dados); Repudiation of transaction (repúdio de transação); Information disclosure (divulgação não autorizada de informação); Denial of service (ataques de negação de serviço) e Elevation of privilege (elevação de privilégio).

4 – Avalie os riscos

Cada vulnerabilidade deve também ser categorizada de acordo com os riscos que oferecem para a infraestrutura. Essa avaliação pode ser feita em uma escala de 1 a 5, por exemplo.

Durante a avaliação de risco, se localizam e classificam os ativos da organização, relacionando tudo o que pode ser alvo de ataques. Essa avaliação deve ser feita de forma quantitativa, com informações concretas e reais.

5 – Trate os riscos

Com a avaliação de vulnerabilidades e riscos em mãos, passamos ao momento de tratar e mitigar todos eles. Com a categorização, torna-se mais fácil priorizar o que representa uma ameaça maior e mais urgente, garantindo a segurança do ambiente.

6 – Teste os sistemas

Tratadas as vulnerabilidades, é preciso realizar testes de invasão, que serão capazes de identificar qualquer falha que porventura não tenha sido encontrada durante as outras etapas do processo.

Esses testes podem ser do tipo black box, white box ou gray box e têm abordagem diferentes de acordo com as informações disponíveis sobre o sistema. Independente de qual realizar, é importante contar com profissionais capacitados e éticos, assegurando a proteção dos dados da empresa.

O outsourcing de TI pode ajudar você a manter uma infraestrutura protegida e confiável na sua empresa. Com uma boa parceira de TI, é possível contar com um suporte especializado para contribuir com a análise de vulnerabilidades e outras questões de segurança.

Gostou desse conteúdo? Aproveite para ler mais sobre segurança digital e garanta a proteção dos dados da sua empresa.

Assine nossa
newsletter

    Ebook
    do mês